22 de abril de 2010

    ─ “Das coisas que tenho, das pessoas que ao meu lado estão . . .
Difícil sentir saudade; Pois onde vou, elas estão comigo. Onde irei; as levarei comigo.
Das coisas que ainda não tive . . .
Fácil acreditar que posso ter; Conquistarei sem atropelar quem amo, terei se digno me for. Esperei por estes anos, até aqui . . . Uma eternidade, longa, não como uma fila. Esperar, eu aprendi! De frente posso ver; O quanto será natural, errar, falhar & ver.

Toda essa euforia pelo qual o tempo tem transtornado, o rarefeito em que a maioria dos homens negam por insuficiência física, causando o des...