22 de abril de 2010

Eu já não sei o que são mudanças, sigo do meu jeito e tudo permanece bem. Noto as mudanças e vejo os novos passos serem controlados. Não acredito que após a morte terei um paraíso; "Isso seria acreditar, em um constelação dentre outras centenas de crenças." È melhor ter uma força que me invade além de um extraordinário, para que eu por si só, crie a minha realidade.

"Terrificante sede de descobrir
Solares que transformam um olhar
Relampejo que guia um andar
Passado feito para se vingar
Oscilando uma nova memória
Campos precisam ser ceifados."

Deixe-me compartilhar com você uma memória

Dentro desse sonho, há uma imagem da morte E ela me leva onde há um saco de ossos Em que ali está o meu nome E pelo corredor daquele vale...