19 de abril de 2010

ㅤ         ─ “Não é o modo que eu, falo . . .
Mas sim a forma que interpreta, se for mal, que seus olhos veja algo bom, para que seus pensamentos lhe tragam boas sensações.
Se for bom, que não precise se quer, pensar, pois tudo aquilo que o fazemos por prazer, é o tudo que nunca esperamos, nos traz mares de bens.”

Quis escrever nas noites mais frias e longas das quais cada um dos meus pensamentos eram naufrágios. Mas não fui permitido a escrever com pe...