6 de novembro de 2010

Deveria eu ousar com as palavras, mas as vezes prefiro só sentir, esta sensação que degrine qualquer fantasia, nos alerta de sorrisos. Cresci um pouco mais quando te conheci, hoje ainda continuo a crescer, sem superioridade existencial, passo a respeitar a mim, conhecendo os outros apenas.
Salva-vida ... Mas do quê? Só da vida ...

Deixe-me compartilhar com você uma memória

Dentro desse sonho, há uma imagem da morte E ela me leva onde há um saco de ossos Em que ali está o meu nome E pelo corredor daquele vale...