23 de novembro de 2010


Pois é ... Eu já não vivo isso tudo,
Eu falo sobre o pouco que sei,
Dentre aquilo que não conheço
Sendo parte apenas deles
Distingo minhas virtudes
E assim, não me engano ...

Sua voz... Quanta ternura num só ser, Mas por hoje! Almejo sonhar no teu sono E no limiar do teu descanso Repousar em teus seios!