13 de dezembro de 2010

"Tem dias, como a noites
E de puras cores, há horizontes
E quando há um coração
Há também um pensar
Que degrine os montes altos
Só para subi-los
Como se não tivesse barreiras, Aninha
Que desce e as vezes sobre
Sente vontade de pular
E num salto ao ar livre
Descobre-se na liberdade
Que do preto e branco ainda
Se faz belo por um só razão
Existência."

O elixir da vida

Que frui como fumaça espessa e sem pesar Não faz desvendar nenhum mistério Onde olhos algum vê, sente a alma e morre o corpo E no além d...