Levanta-te

"Isso tudo aqui é muito lindo ... Mas não sou assim,
sou o que falo quando não penso pra falar."

__________________________________
"Direitos Autorais."
Os direitos autorais são protegidos pela lei nº 9610/98, violá-los é crime estabelecido pelo artigo 184, do Código Penal Brasileiro. Não copie sem divulgar a autoria !

terça-feira, 17 de novembro de 2015

ㅤㅤ─ “ Porque tudo que se move, tem vida. E tudo que permanece, vida tem pelos olhos que o vê. Seja o vento passageiro, seja a chuva permanente. Em nós sempre haverá uma interior razão em querer existir, sobre tudo, quanto nós somos e fazemos. Nada vale, senão crer que somos nós, feito para nós mesmos. Como nossa sombra que por nós passa, e nunca percebemos. A única coisa, que sempre e realmente permanecerá, a sombra de nós e os pensamentos derradeiros.
ㅤㅤ─ “ Chove lá fora, e sou cada gota que cai
Chove lá fora, e sou cada vento que passa
Chove lá fora, e sou cada folha que cai
Chove lá fora, e eu torno o sonho real
Chove lá fora, e nada é o que dizem ser
Chove lá, e só há chuva lá fora
Chovia lá fora, enquanto estava aqui dentro
Dentro de mim, como a chuva adentra
O tempo, desdenha o horizonte,
E quem sabe que chove lá fora?
Como eu sei que chove lá também?
Só que lá-além-do-além (...)
No além de mim, para ti, para nós
Que dançamos, juntos. E somos nós
ㅤㅤ─ “ A chuva que cai lá fora.
O vento que faz um pensamento tropeçar.
Carregando estas flores e folhas da primavera.
Um caminho oculto, onde só a alma pode seguir.
Sei que os passos que dou, são perdidos.
Porque somente vive a alma, quem dera este corpo falasse.
Me diria que até pensar, o faz mau.
O vento carrega o sentido da vida, como o sopro que faz o coração bater.
Atenta os olhos sobre todas as coisas e faz o mundo inteiramente parar.
Pouco penso sobre o que esta do lado de lá, se quer posso sentir.
Não posso definitivamente dirigir minhas emoções.
Pois não posso citar o choro e causá-la. Sou alma, mas sei que há um corpo aqui fora.
Que nota tudo quanto passa, e nada é tão real quanto existir.
Vi que sobrenatural não é o fato do mundo existir, mas estarmos nele.
Eu reflito uma vislumbrante sensação quando ando contudo aquilo que chama-se espírito.
O que dá-me uma real razão para não ser a massa dos descasos, mas a influência de algo que precisa tocar a quem necessita aprender.
Vago, mas nunca só... 
Vivo, e busco ao que amar. Sinto, por isso sou a chuva lá fora.
Que ouço apenas daqui de dentro.
O de estar só, torna-me grato, feliz. Pois basta existir...