Levanta-te

"Isso tudo aqui é muito lindo ... Mas não sou assim,
sou o que falo quando não penso pra falar."

__________________________________
"Direitos Autorais."
Os direitos autorais são protegidos pela lei nº 9610/98, violá-los é crime estabelecido pelo artigo 184, do Código Penal Brasileiro. Não copie sem divulgar a autoria !

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

"È difícil escolher um lado quando se está só. Por isso, a melhor decisão é olhar para o alto."
Cada forma e cor
Desenha para mim
Aquilo que vendo vou
E deixo ser como penso
         ...E nem sou,

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

"Breves eventos, feito ventos
Tremeluzem os pensamentos
E transforma algo dentro de mim
Me modero a ser quem penso ser
Para não trespassar o tempo
Que em mim, trás a transformação
Válida, tão interior e silenciosa 
Pois os exteriores, são ilusões."

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaah, eu conheço este ruído
As trevas se aproximam, como um turbilhão
Me calo e me prostro diante do que faz pulsar meu coração
As engrenagens aceleram, movem o tempo e o espaço
Nada está perdido, causa a impressão do fim
O tempo se fecha e o espaço se encurta entre mim e o mundo
Ao derredor, quase que me a atemorizar, 
Mas eu espero, me calo, e me faço de morto
Tudo está vencido, nada está perdido, eu noto
Este ruidar da vida, centraliza-me a mim mesmo
E eu começo a correr, me encontro e me livro 
|De mim mesmo, me liberto, me despeço
E deste chão em ruínas, vai surgindo um caminho
Onde antes prostrado, me elevo ao pico, 
Do que antes era um vale escuro, sombrio como o mundo é|
Assim como passou está noite, e chegou este dia
O despertar do dia, me palpitou o anseio 
De nada que se pode ver, mas desejando mudamos
Então, que chegue as trevas, para dissiparmo-nas 
Pois inda que pensamos sem vermos, há luz
Precisamos apenas, esperar, aquietar, e deixar
Quê o que em nós é Maior agir ... O Espírito."


segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

  •  "É radiante, como mais bela flor do campo,
  • Brilhante, feito estrela no céu azul
  • Em noite enluarada, torna-se intocável
  • Ser tão lindo e intocável, mas real
  • Pulsante, feito o coração que deseja viver
  • Mas faz matar os sentimentos e emoções
  • Sei ainda sim, que é radiante, pois nasce
  • De dentro, para que transforme o lado de fora
  • Essa melodia que te conto, não é história
  • Desfaz todos os picos e realiza os vales
  • Estabelece a hora em que tudo parece parar
  • Eu disse; Parece, e nunca para
  • Como nunca nos para em nada e para nada
  • É o que move o mundo em nós,
  • E desenha tudo que está em nossos olhares
  • Pulsa e aquece tudo que em nós existe
  • Cantamos esta canção, e tornamos a vida
  • Em mais encante nau, que sobre os mares
  • Faz todo vento cessa e as tempestades,
  • Se acalmarem, por isso é radiante
  • E pulsa sem que possamos ver,
  • Abandonamos os sentimentos e emoções
  • E sentimos o espírito, a libertar nossas almas
  • Voamos, cantamos; E mudamos o mundo ... 

"Não me i n s p i r a as coisas que posso ver.
Mas as cores, cores que dão nomes
A estas c o i s a s, que precisamente vejo, apenas
Mas passam derradeiras, não me i n s p i r a
Estas mesmas c o i s a s, mas o que dão nomes
A elas t o d a s, sendo todas as coisas
Que formam um mundo, e dão razão
Para que nada exista para i n s p i r a r - m e
Senão a mim mesmo, para criar  e s t a s coisas."

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

"Não diga nada, apenas deixe-me te contar algo;
Chove lá fora, e tudo parece vago,
Mas cada gota que cai, corta o silêncio que há em mim
E deslizo como cada gota de orvalho sobre as flores
Distantes de mim, num campo mórbido e cinza
Pairo aqui só e o silêncio que deveria haver em mim
Se quebra junto a tempestade que se forma depois da chuva
Sou um sonho inadequado para tudo quanto existe lá fora
Nada importa, senão estar aqui e ver, notar;
Que além destas cores, há um espaço em nós
Pobre como são as vitrais periféricas, desnudo
Meus pensamentos e encontro-me aqui
Ao meado de tua companhia muda, inquieta deste lado
Que em mim desconhecido, faz nascer o anseio
De saber o que há além deste espelho que me reflete
Tão certo e nunca falha ou erra, pois reflete certo
Porque nunca pensa, meu erro o de pensar
Quando posso eu mesmo ser a chuva que cai lá fora
E me despeço como o som que faz duma simples chuva
Uma forte e devastadora tempestade, calmos somos
Quando não pensamos, e escolhemos ver, apenas.