21 de outubro de 2010

"Melhor eu não saber ...
De tanto, quanto imagino.
Pois isso pode ser ainda mais indesejado.
As vezes tudo parece estranho, a gente nada entende ...
Tudo parece parar, eu que nem mesmo consigo
fingir isso, devo acreditar?
Então que minha confusão é uma verdade?
Tudo que me frustra, as vezes faz-me viver ...
Até assim, sem saber o que ainda não soube!
Sou insólito, ousado.
Por fim um homem ...
E sim, eu tenho um amor ...
E sou teu amor, num só.
E isso tudo têm, possui.
E faz acontecer!
Nem suporto esta minha forma de falar as vezes."

"É como se uma máquina de ferro fundido tivesse passado por cima de mim, em cima do meu corpo. Porém, ainda não havendo força e vontade...