13 de julho de 2019

Os demônios

Os demônios
A penumbra da madrugada fria
Onde estreitos eixos se debatem
Como um finíssimo aço na mata que se propaga
Um saco de ossos vagando um mundo mortal

Os demônios
Pendurados nas laterais das portas
Descem e sobem veemente a janela inanimada
Corredor de flores sem cores
Alto contraste sonoro...

Os demônios
Incendeiam o mundo "fantasma-goricamente"
Vozes ecoam o anátema
Se movem os espíritos no além
A fórmula secreta da morte.

12 de julho de 2019

Poema e vento

Poema e vento em mim sopram
Enquanto desço a trilha estreita
Que esconde os versos ainda secretos
Desaguam letras e nascem luzes

Um caminho oculto e irisado
Por entre as folhas que não escrevem
Que não tem nome e nem sentimento
Por entre as sombras dos sentidos

Que dormem e sonham acordado
Condzindo os passos as formas lúdicas
Aos troncos altos e intocáveis
Pista de pouso de um pássaro

Que não tem nome, mas tem seu canto
Que não tem nome, mas tem suas asas
Que não tem nome, mas tem tuas cores
Que não tem nome,  mas tem seu encanto

Sobre os meus olhos dançando as nuvens
Em meu pensar tudo assim passa
Do sol poente do céu que exalta
Até que a tarde se desfaça e nasça a noite inenarrável

9 de julho de 2019

Inspira-me...

O vento. ..
A flor
O sentido invisível
Do meu ser indizível

A sombra...
Que ofusca meu ser
E faz-me sonhar-me sem sono
Inspira-me o nada

O que não tem nome
Inspira-me ser e nada ter
Inspira-me recriar no intervalo
Que o mundo passa e não importa

"A cruz trás consigo a consequência perturbadora de um peso antes inimaginável pelo seu percursor.
A consequência das dores e das feridas é exatamente narrar uma perspectiva impossível ao simples entendimento do homem desrraigado da fé.  "Dores e feridas" representam cura... Por isso ao haver uma transformação interior,  seja em quem for, compreende que "simples-mente, tudo passa.
A morte na cruz por seu peso e medida demasiada,  carregada de sangue e suor se tratando ainda de não pertencer a Ele. "Foi a cura e ainda contínua a ser a cura de todos os males."

A morte em sua profundidade de sono. Nos permite sonhar a vida, reservada aos simplices que são enxertados na árvore da vida.  Reservada aos que não tomam os frutos d'outras árvores. ..

8 de julho de 2019

E faz moverem-se pensares
Que nos pesares da existência
São complexos e contínuos
Formas sem cores sólidas

Como fontes que removem
Intuições que não são nascentes
E que tornam a passar
Por entre o nada a tudo ser

Sem tais metades e meias verdades
De um pequeno espaço a desfazer
E que se recria no aproximar da estação
Passageira como todas são...

Entronizam os segundos as horas
Ao relógio em seu tiquetaquear
Que sussurram seus palpites seculares
Momentâneos ao badalar tua força

Pois sabe bem parar o sol
E faz simples surgir a lua
Dá nome a cada estrela
E além das nuvens, oculta o entardecer

Sem presumir suas sensações
Faz do elogio metáforas
Sem títulos a alma...
Ao longínquo porvir inenarrável

Que não cabe num ser comum
Mas indiferente a existência do mundo
Entre o natural e sobrenatural
Em que surge um respirar

Protelando sentidos e formações
Para que viva o espírito
E pleno seja em tudo e para-tudo
Em nada lhes sirva o mundo visível.






Pela primeira vez, depois de aproximados 29 invernos. Percebi "nitida-mente" que posso parar,  ver e não pensar em nada,  em não sentir nada.

24/05/2019


E desconhece o futuro,  porque não há passado.  Ele aprendeu a viver no presente;  contemplar e sentir o sol e esperar a passar a chuva."
22/05/2019

5 de julho de 2019

"Permanecerdes firmes naquilo que tem verdadeira importância.  Tenha coragem para mudar as coisas possíveis.  Pois o impossível é apenas uma questão de tempo para se realizar e cumprir o que por direito está determinado pela vontade de Deus."

Os demônios

Os demônios A penumbra da madrugada fria Onde estreitos eixos se debatem Como um finíssimo aço na mata que se propaga Um saco de ossos v...