13 de dezembro de 2010

"De carinho não me faço por anseio
Mas por ternura, me tenho
Num imenso carinho
E tudo aquilo que me passas
Retoma a liderança da realidade
Para que aquilo que não sinto
Seja apenas o irreal
Que desacredito
Dedicações para que?
Quando me sou dedicado ao que faço
Em carinho para ternuras infinitas."
//Dedicado a Andréa

"Na vigília dessa noite, enquanto todos dormiam. O mundo a se mover sem perceberem da mesma forma ao estarem todos despertos. Movia-se ...