22 de novembro de 2010

"Não deves amar os instantes ... Que passa-se com o gostar. Deseje a cada um destes instantes, gostar mais do que eles existem. Pois torna-se algo contínuo, não um só momento. Mas alguma coisa que vá se viver futuramente, sem estranhar ser igual aos instantes jaz passados, e vividos."

"Atenua-se no vasto céu negro antigas estrelas e esplendorosa e formosa lua...

Fazendo mundos surgirem junto a sensação do vento noturno Solstício outono também declama o amor as folhas Onde cada uma delas também...