21 de dezembro de 2010

E não importa o que não
faz parte de mim,
Mas que parta de outro
O meu sondoso realizar
Descrito no que penso
E dito apenas na amizade
Que me tenho por dentro
Aos outros,
Que se partam meu coração
Em milhares de partes
Só para que haja espaços
para cada sonho que realizei
Na solidão ou na companhia
De algo que não esqueço jamais

Deixe-me compartilhar com você uma memória

Dentro desse sonho, há uma imagem da morte E ela me leva onde há um saco de ossos Em que ali está o meu nome E pelo corredor daquele vale...