13 de dezembro de 2010

Se soubesse o quanto me sinto alheio
Sobre coisas que jaz me foram
Nunca compreenderia o porque disto escrito
Existe um motivo, e para este motivo
Lhes dou boas-vindas aquilo que penso
Sem importar-me, pois jaz passado
O presente me infurna para satisfazer
As vontades desejadas hoje
Porque ontem, ao repetirem o mesmo gesto
Decidi mudar-me mesmo perdendo coisas que gosto
Deixaram de serem minhas ...

O elixir da vida

Que frui como fumaça espessa e sem pesar Não faz desvendar nenhum mistério Onde olhos algum vê, sente a alma e morre o corpo E no além d...