4 de maio de 2012

"È sempre que caminho e ouço o vento cortar os meus ouvidos que ouço a música passar. Como uma melodia natural do que sou ao também cortar o vento. Que não me sente, mas por mim passa."

Quis escrever nas noites mais frias e longas das quais cada um dos meus pensamentos eram naufrágios. Mas não fui permitido a escrever com pe...