23 de janeiro de 2013

"Lembra-te de quando caminhava num jardim?
Desejando sempre voltar aquela fonte cristalina?
Jamais se esqueça de que pode voltar...
Esqueças as ilusões do mundo, navegue sorrindo
Penso nas coisas lá do alto...
Querendo voltar, ao início de quando era feliz
Jamais ande sozinho, mas com quem lhes faz bem.
Confesse os medos, confesse as fraquezas
Se arrependa e peça perdão,
E aquele mesmo rio, estará lá
Para molhar-te como te ensina e inspira."

Sua voz... Quanta ternura num só ser, Mas por hoje! Almejo sonhar no teu sono E no limiar do teu descanso Repousar em teus seios!