29 de abril de 2010

Não adiro perfeições
De impressionantes, são passageiras
Não adiro àquilo que tu tens
Pois não tomo aquilo que
Não pode ser meu
Não adiro teus olhos
Pois neles posso me refletir
E desejar um novo estar
Não adiro um sonho
Se não vivido a frustração
Músicas me acalmam
Poesia fala da minha alma
Minhas palavras criam vida
Teus olhos são curiosos
Reflexo do que precisa mudar
De tudo que necessito
Não quero aderir
Preciso apenas viver.

"Eu e Ela."

Não são moedas meus anseios Ardentemente, desejo além do pensamento Porque não enxergo com os olhos Enxergo com a alma E somente ela sab...