16 de maio de 2010


          ─ “ Até imaginar-te ainda não sentia-se vivo
     Pergunta-te qual é imensidão dos céus
          Quando dormes torna-te caçadora de tesouros
               E enquanto entra em um outro mundo
        A linha tênue de seus sonhos construindo desejos
                    Vida vivida com chuvas
               Amores não vividos, memórias que te fazem esquecer
                    Emotiva e estável, faz das suas escolhas
               O que ela simplesmente é
                         De um jeito seu segue quando os dias mudam
                    Folhas novas para serem queimadas
                         O cabelo sobre teus olhos
                  Não é disfarce, por vezes é charme
                                   Como o sinal em seu rosto
              Não cruza seus braços, mas fecha os olhos pra sentir
                    "Os prazeres que sua vida ainda não lhe deu."
         E aquele luar...

"Atenua-se no vasto céu negro antigas estrelas e esplendorosa e formosa lua...

Fazendo mundos surgirem junto a sensação do vento noturno Solstício outono também declama o amor as folhas Onde cada uma delas também...