26 de julho de 2010


"E quando eu morrer, quero me aproveitar do todo confortante modo de não ser ninguém."

Quis escrever nas noites mais frias e longas das quais cada um dos meus pensamentos eram naufrágios. Mas não fui permitido a escrever com pe...