10 de agosto de 2010

E parte o navio
Sobre o mar e ondas valsantes
De ondas e ventânias
De sopros e ilhas
Perde-se o olhar da cidade
Vagando as nuvens
Se esconde uma verdade!
Faz sol sol no horizonte
Cresce as flores no campo
Nasce e brota nos montes
Tão longe que nem sei aonde está
Esconde-se nos céus
Morada de REI
A verdade que se brilha como sol ardente e REAL
Chove no sertão
E se amansa as ondas
E atravesso os mundos
È como voar sem ter asas
Quando caminho e me assento
E sem os pés na terra
Sinto-me voando ... È só fechar os olhos
Imaginando onde está ...
As palavras do acerto
Os gestos de bondade
Como as minhas verdades
Expostas no mais belo sol
Que brilha ... eu canto!

Quis escrever nas noites mais frias e longas das quais cada um dos meus pensamentos eram naufrágios. Mas não fui permitido a escrever com pe...