23 de agosto de 2010

[Sem pensamentos]

De Fernando Pessoa// Poeta Luar em prosa I
Sem espantar-se com as coisas reais. Cada dia pode-se descobrir alguma coisa nova. Em seu devido modo de ser, de perceptivas concebidas. Da forma que é ... E sem ter que explicar como isso nos alegrar, vale dizer que é simplesmente isso que basta para sorrir ...
"Completar-se; È não entregar-se a ilusão do mundo, com a razão de ver, só ver. Transforma o sentido de viver, por talvez ser, se sentir."
Açoita-se um pecador que se disfarça de roupas finas ... Quem precisa de riquezas? Quando respirar é tudo? Forma-se versos, ao invés de inversos, de valia inestimável. Nem se ouve pensar ... E nem pensar se faz ler. Agora duvido se realmente penso, ou só existo sem mesmo ter de julgar. O que faltará se podes ver? Além de qualquer vontade que sinta.

Toda essa euforia pelo qual o tempo tem transtornado, o rarefeito em que a maioria dos homens negam por insuficiência física, causando o des...