13 de dezembro de 2010

Adoro a solidão que assola
Os montes distantes
Pois é só lá que encontra-se paz
Paz inerte que faz verdadeiramente sonhar
Acreditar que toda aguça bagunça
È só uma aptidão alheia
Que comprime os outros
Por motivos banais
E lá no silêncio encontro
Minha voz atônita percorrer
Sobre o ar, atravessando os mares
Me levando para onde quero bem chegar
A solidão é uma alegria egoísta!

O elixir da vida

Que frui como fumaça espessa e sem pesar Não faz desvendar nenhum mistério Onde olhos algum vê, sente a alma e morre o corpo E no além d...