22 de março de 2011

"Angustia, que agonia-me os sentidos. Traz sentidos de ares longínquos de todos os meus desejos. E ainda que seja assim, posso parar-me a refletir o eu que há sobre o espelho de meus olhos. Angustia, que vem dos planetários pensamentos, tornam-se inspirações devotas do que há além de mim. E para que isso não seja o sentido do meu demasiado afago. Contemplo meu estado de conhecimento pessoa... Como quem nem mesmo ainda viveu o amanhã."

O elixir da vida

Que frui como fumaça espessa e sem pesar Não faz desvendar nenhum mistério Onde olhos algum vê, sente a alma e morre o corpo E no além d...