12 de setembro de 2011

"Corpo & Mente."

Brincando de pensar que tudo é isso
Quando há sempre o que mude
Para que tudo se mostre real
Como se pode sentir e não só ouvir

Melhor seria fazer o que muda
Para que se possa ver, pernotarem
O que há de certo naquilo que se faz
Não no que se pensa, apenas

Deixando aquelas dez mil lágrimas
Um sentimento menos pegajoso
Liberdade para ser um sentimento
Você tenta? Tenta mesmo isso?

Separar seu corpo de sua mente?
Não pode ser a mesma coisa!
È preciso ser de outra maneira
Aquilo que se faz para o ideal

O que chama-se coincidência
Não é destino, o que se tem
Não é d'outrem, o que se faz
Não se pode esperar, é desejado.

"Atenua-se no vasto céu negro antigas estrelas e esplendorosa e formosa lua...

Fazendo mundos surgirem junto a sensação do vento noturno Solstício outono também declama o amor as folhas Onde cada uma delas também...