27 de setembro de 2013

Vento que bate e foge á janela
Trás a silhueta das luzes
Que tantas se fazem estrelas
Ao olhar silencioso que deita e aquece

Sobre  lençóis de nuvens que correm
A cobrir constelação que sonho
Sem te ver assim que sinto
Como perfumes que são lilases

O labirinto de mil sonhos
Que aquece o ar pairo
São tuas  flores neste jardim
Desfazem rosas e trazem lírios

Vasto campo, profundo e raso
O que inspira esta noite?
A que me tenho este agora?
       Tempo que oscila e trás de volta...

                      .A PRIMAVERA E O FOGO RARO.
      //Rabiya Marsoor

Quis escrever nas noites mais frias e longas das quais cada um dos meus pensamentos eram naufrágios. Mas não fui permitido a escrever com pe...