10 de março de 2014

"Ela, primavera,

    "Nesse meio fio da estrada,
           caminha uma criança sem destino
                Ela se desfaz das sombras e das solidões
                      Entoa canções de ninar onde se esconde os medos

     "Cintilando as noites pelas estrelas a brilharem
            Deita-se a realidade, fecha os olhos
                  Ela oculta males, de um corpo e alma
                         O exterior de si que se move

              Tremeluz os sonhos do horizonte
              E devasta o vento toda sorte
              Arrastam folhas sobre a morte
              Onde jaz um silêncio sepulcral

     "Como o que nada torna, e volta estações
            Finda noite ao dia, gestos do corpo dela
                  O ruidar do lago sobre as grutas
                          Sol de 'primavera'

               Sobre um belo entardecer
               Sem ilusões de um momento
               Porque em tudo há sentido
               Porque olhos e ouvidos também se fecham.

Nós que confiamos em Deus, sabemos que não é  porque podemos uma ou outra coisa que a vida se realiza ou está realizada, mas é na superiorid...