6 de janeiro de 2016

Inda que de olhos fechados. Nada muda, só imaginar, não realiza!
Tudo suporta o pensar, mas o corpo padece, se parado.
È preciso navegar com os pés o campo mórbido da terra ...
Ir além dos destroços das esquinas assombradas.
Alcançar o que nos desperta por dentro, não o coração,
mas a Alma, que nega todos os ritos e ideologias alinhadas
Sobre todas as coisas que levam ao mesmo lugar,
Seguir, como um rio que flui pro mar, deixando as rotinas
Alheias, embarcando realidades espirituais, destruir as pontes
Que buscam voltar e levar ao passado, tirar as sandálias,
E misturar-se a areia fina de um brado mar, intocável
Não ser como a massa da multidão, mas quem realiza
Sem a necessidade de mil mãos, mas tendo duas, acreditar em si!

Quis escrever nas noites mais frias e longas das quais cada um dos meus pensamentos eram naufrágios. Mas não fui permitido a escrever com pe...