14 de abril de 2017

Havia ali uma ideia
Passos descontínuos
Quase perdidos
Mas precisos
Encontravam sempre
O caminho que seguir
Entretanto, neste todo
Que mais perdido estava
Uma conversa estranha
Descompassa o tempo
Movendo os sentidos
Como a mesa no canto
Desta sala...
Que ela faz um discurso
Sobre o seu desejo
Que vem do nada
Que música ouve?
Destas lembranças
Que passaram,
E retornam
Pouco importa
Pois esta sombra
A mim pertence
E nunca estou só
A não ser, pelos olhos
Que pensam demais
E me acenam a ignorância
Que escreves, diante desta idiotice?
De Alhures para nada
Em que neste campo distante
Dividido por esta paisagem
Como uma tela vitral,
Faz nascer a Margarida
Que dança tarde outonal...
E fim...

"Na vigília dessa noite, enquanto todos dormiam. O mundo a se mover sem perceberem da mesma forma ao estarem todos despertos. Movia-se ...