12 de maio de 2018

"Eu também tenho um coração do meu lado direito. Só que ele não se vê, mas mantém o coração do lado esquerdo, apenas a bater. Porque ele não sabe sentir pelo que vê os olhos. O invisível coração direito, sugere que eu não seja provocado pela vista ou por gestos voluntários. Ele sugere que eu não negue a existência do meu ser, mesmo diante diante da passageira vida. E me diz também, que sou forasteiro em terra estranha. Torno o coração do lado esquerdo, apenas um coração e dentro dele tomo apenas a vida como consciência."

Essas sensações que me surgem e me tomam por suas cores invisíveis e de finitudes indomáveis. Me fazem saber que estou no caminho certo, não...