9 de dezembro de 2009

    ─ Era um belo início de noite...
Um senhor, de barba, aspecto sério. E um sorriso forçado dizia quando parecia estar sozinho: Se eu sou feliz mesmo sendo infeliz. Não há como eu não ser feliz."
   ─ O vento soprou, e entre seus pés estava um papel, era talvez um convite.
Ele se inclinou, com certa dificuldade conseguiu pegar o mesmo. Sentia uma leve dor que tentava o impedir, e seu sorriso nem mesmo sairá dos lábios. Ele lia o que era simples de se entender:
"Se és feliz, dentro de sua infelicidade. Forja um sorriso que seria sincero para tudo que ainda está longe de você?."
Ele apenas conseguia pensar, estando ali sozinho!

Sua voz... Quanta ternura num só ser, Mas por hoje! Almejo sonhar no teu sono E no limiar do teu descanso Repousar em teus seios!