19 de janeiro de 2010

"12 Gardenal."

Agora eu sei por que, que os idosos vivem doentes
As drogas aumentam, em suas doses, eles nunca estão, ‘bens’
Como, em um conto de fada. A princesa sobrevive, o vilão,
falece. Assim, como seus pensamentos, lhe permite ler, e seus olhos
ver... Veja...

E aqui, o que sente?
Você toma comprimidos…
como se as drogas fossem seus pensamentos
como se seus pensamentos, permitissem
que outra pessoa fosse seu ente querido.
Eu pareço sofrer aqui escrevendo,
Parecia...
Oh, Deus... Será que devo lhe implorar
ou devo apenas admitir que tudo é feito de sua
bondade.
Não fugirei do que penso sentir,
assim como não negarei meus momentos.
A minha estrada depende de onde piso
se você está em meu caminho,
eu aprendo, e posso errar.
Se faz-me errar eu lhe atropelo,
se me ensina, eu divido.
O amor é paranóico, e porque eu
não posso ser paranóico?
Escutei, Raul, com sua dita frase
“Quando quero relaxar eu bebo”
Não relaxo quando bebo, viajo porque
Lhe ouvir me confundir, é perca de tempo.
Aceite-me como sou, e eu lhe aceitarei como és.
Não vivarei sua dor falada, mas lhe verei curar de suas
Feridas.
12 Gardenal, e 16 complexo ‘B’
Eu já experimentei, este drink!!!

"Este é o homem que
não quer o mal, mas que deseja sobre o mal, triunfar. Como feito."

Deixe-me compartilhar com você uma memória

Dentro desse sonho, há uma imagem da morte E ela me leva onde há um saco de ossos Em que ali está o meu nome E pelo corredor daquele vale...