24 de fevereiro de 2010

     ─ “Sei que não poderei arrancar um sorriso de todos...
Com a leveza de meus versos, e a realidade da minha filosofia,
mas o lirismo que existe em mim, escondido, será
do tamanho do céu, para que possa ser descarregados em gotas d'água.

Vão se fazendo linhas, escritas
quando se começa não pára
e mesmo com poucos minutos
o que é ruim, se torna precioso e necessário.

Quis escrever nas noites mais frias e longas das quais cada um dos meus pensamentos eram naufrágios. Mas não fui permitido a escrever com pe...