15 de março de 2010

    (...) Quando sente-se o medo a dor, temor, prisão, falta de compreensão. È parte de uma missão que imponhamos em nós mesmo. Para que possamos por si só cancelar aquilo que criamos por pensar "Um sentir pelas palavras." Não há o que temer, não há o que não se pode controlar. Só se mata aquilo que criamos, se deixa ir aquilo que não desejamos. Minha auto-liberdade nunca foi autoridade ou poder. Se eu me libertasse das coisas que sinto, seria deixar de existir. "Meu inimigo íntimo é aquilo que ainda não sei de mim." (...)

O elixir da vida

Que frui como fumaça espessa e sem pesar Não faz desvendar nenhum mistério Onde olhos algum vê, sente a alma e morre o corpo E no além d...