14 de abril de 2010

          ... ─ È... Eu acho que irei fumar um cigarro. Disse o rapaz seguindo seus passos, após cumprimentarem um de seus colegas em seu portão. O amigo sem mesmo notar lhe disse como se fosse uma resposta. ─ Isso mata! O rapaz sorriu para si mesmo, e seu amigo, apreensivo esperava uma resposta. Levou segundos até então se ouvir. ─ E enquanto eu viver, continuarei desafiando a morte... Se sente uma vez, e nunca esperamos. O que estava no portão apenas deixou seu sorriso surgir e em seus traços, a suavidade da intriga. De um pensamento que ia longe. Como os passos de seu amigo que seguia pra sua casa, para acender um cigarro.

Quis escrever nas noites mais frias e longas das quais cada um dos meus pensamentos eram naufrágios. Mas não fui permitido a escrever com pe...