23 de julho de 2010

Não sei se o tempo, os segundos
Que se passam, e me deixa só
A imaginar o quanto vale
O percurso que se vive
Pois a nele a paciência

Que nem mesmo se vê
Mas se sente, existe
A cada temporada nova que chega
Não sei se é real,

Mas ainda sim posso ver-te
Ler-te me é dissipar o demasio
Ver-te me faz real
Versos que se formam

Simplesmente em prol
Do dia que se faz ensolarado
A fim de iluminar-te
No fim do dia, ainda se têm a lua

Que de color torna-me poeta
Que de poeta lhe trás aqui
Uma doce poesia, perfumada
È neste teu dia, que poderá

Ver a lua ao horizonte
Diurno, que não se faz impertinente
Para que sintas a vida
Vida longa foi ao rei,
Vida longa hoje pra ti,
Pessoa de um suave olhar, doce sorriso que encanta como ...
POESIA
Dedicado//Nah Amaral

O elixir da vida

Que frui como fumaça espessa e sem pesar Não faz desvendar nenhum mistério Onde olhos algum vê, sente a alma e morre o corpo E no além d...