28 de dezembro de 2010

.
Escuta o som...
O tempo passa
E assim tudo revolta
Revolta? È, volta...
Precisa de algo?
Um drink? Uma boa conversa?
Seja lá o que for...
isso daqui tá tão parado!
Hora de voltar, não?
Alguma coisa, aconteceu!
Sei lá onde, acontece assim
E o jornal, o que viu?
Não fale... Eu já sei
Lastimas que não vivi
Ah, claro tempo de revoltar-se
Mudar-se para longe
Cantar a beira-mar
Jogar pedras no lago
Inventei algo novo?
Posso contar?
Não, não, não, não!
Tá vendo meu egoísmo?
Não falo dele, mostro que
Ele não existe aqui
Do que falo?
Dá pra sentir?
Tijolo? Que nada
Prefiro uma flor
Maria Bonfá?
è, não, talvez seja
Júlia? Ana? Marta?
Não, Maria... è ela!
Onde está ela?
Como criança se esconde
E eu? Eu! Bem...
Vou ver se me encontro
Lá fora com os beija-flores
E assim, falar pra Maria
De meus sonhos realizados
È, por enquanto é só.
/Para Maria Bonfá

Quis escrever nas noites mais frias e longas das quais cada um dos meus pensamentos eram naufrágios. Mas não fui permitido a escrever com pe...