14 de fevereiro de 2011

"Dois caminhos e as estradas."

De escolhas penduradas, as estradas
Dos caminhos reservados a vida
E os ventos de regressos
A mover a vida dada por divindade

A liberdade de crer no que se quer
Sem esforço, para um caminho só
Cresce e sobe os montes, seja
Crente de si e mostre o melhor

Vencer e ser reconhecido
Conhece o caminho que seguir
Coragem pra aceitar a vida
Preservar a vontade e ser ungido

Não vive os perigos passados
A verdade vem e as ilusões
Se deixa, se lar, deixa de existir
No mundo pela fantasia

A alma revigora pelo espírito
E o corpo sente as sensações dos impossíveis
Sem ter tido medo escolhe
O bem que se deseja fazer

A terra e céu, nossa contradição
Temos que fazer a precisão
E o projeto e o sonho, a descrição
Para que o sonho enfim, não seja ilusão, e sim razão."

Quis escrever nas noites mais frias e longas das quais cada um dos meus pensamentos eram naufrágios. Mas não fui permitido a escrever com pe...