16 de fevereiro de 2011

"O ego das sombras"

No mar de dúvidas
Anseia o entendimento
As sombras maneadas
Por egos escondidos

Ainda jovem descobristes
A perplexa existência
Vendestes os sorrisos de graças
Para simplesmente o sonhar

Que realiza no escuro da noite o sono
Enquanto dormes és o príncipe
Zela para o dia ser melhor
Falas do amor como se o fosse

Águas calmas dum lago escuro
As sombras das árvores
Que devora o silêncio ao canto dos pássaros
O ego esquecido que finda as manivelas

"Lavante-se da pedra em que
Esteve sentado, não olhas para trás
Só segue avante, para o amanhã
Sempre chegar distante do ontem"

O elixir da vida

Que frui como fumaça espessa e sem pesar Não faz desvendar nenhum mistério Onde olhos algum vê, sente a alma e morre o corpo E no além d...