17 de fevereiro de 2011

"A poesia florida dos dias de tédio."

"Ronda ares do tempo no tempo
Que passa assim, sem perceber
A titânica mania de proceder
As essências de um só ser."

A quantia das horas multiplicadas
Nos gestos feitos a desfazer...
E que a chuva sonde a passagem
Que não se pode ir e nem vir

Que tais coisas acontecem
Para principiar a existência
Desenha as palavras dos pensares
Profundos olhares atentos

A sintonia que afaga o tédio
Que não existe nos ventos
E passam ligeiros por todos
Se vai, se vai, e passa, sim!

'Por mim e por todos que percebem
A quântica do raciocínio permanente
De nós para nós, sem que outros
Se intertram na paragem imaginária.'


Quis escrever nas noites mais frias e longas das quais cada um dos meus pensamentos eram naufrágios. Mas não fui permitido a escrever com pe...