15 de março de 2011

"Destino compreendido."

Jogava-se as lanças feito redes
Bem trabalhadas, mas todas
Más colocadas, sobre águas
D'uma garoa que não vi

Pressenti sobre edifícios onde
Nem mesmo vivi, não entrei
Se saio agora por entender
Meu destino, nego avera do mundo

Como pórtico que voa
E caminha sem tua pressa
Encontro os horizontes do-porvir
Agora sei porque senti

E longe disso, eis o silêncio
De adorável circunstância
Não pretende mais partir
Só remar e cavalgar.

"Na vigília dessa noite, enquanto todos dormiam. O mundo a se mover sem perceberem da mesma forma ao estarem todos despertos. Movia-se ...