6 de julho de 2011

È necessário saber que o que vivemos, não é preciso ser o nosso presente. E que o futuro é a espera de coisas que ainda não fazemos.
È preciso não ter medo de nada, para que além de tudo se tenha o que desejas.

Sua voz... Quanta ternura num só ser, Mas por hoje! Almejo sonhar no teu sono E no limiar do teu descanso Repousar em teus seios!