10 de outubro de 2011

"Posso me conter mesmo na solidão, mas não quero viver contido assim. Preciso de algo que me faça respirar as cores da visão, e isso para que meu corpo possa sentir-se vivo além da condução da minha alma. Permaneço inerte as paixões, mas não movo-me inconsciente do amor."

Quis escrever nas noites mais frias e longas das quais cada um dos meus pensamentos eram naufrágios. Mas não fui permitido a escrever com pe...