25 de junho de 2013

A melodia que toca o vento a montanha
Dissipa os pensamentos que partem
Folhas que se arrastam aos moinhos
Trazem a sensação do que se faz novo

"Todo momento que entrega o segundo
Carrega também a passagem das horas"

Um longo rio sob a luz que enfeita a lua
O espelho de uma alma santa que falece
Moldando os cantos de uma noite silenciosa
A sombra de um céu estrelado ao campo ´

Visões não sonhadas que se fazem invisíveis
Nada é escuridão eterna, 'algo nasce com brilho'
E se  faz correnteza sobre todas ás margens
E assim dançamos, como os escolhidos

"São olhos de um horizonte
Noite que nasce para um novo dia"

Deixe-me compartilhar com você uma memória

Dentro desse sonho, há uma imagem da morte E ela me leva onde há um saco de ossos Em que ali está o meu nome E pelo corredor daquele vale...