25 de junho de 2013

"Entorpece! Realidade. Distorce, os sonhos. Me fazem sentidos! Descubro, por detrás do muro. Mundo imaginário, de visões invisiveis. Que contemplo enquanto adormeço.
                         [Feito de riquezas mortas]

Deixe-me compartilhar com você uma memória

Dentro desse sonho, há uma imagem da morte E ela me leva onde há um saco de ossos Em que ali está o meu nome E pelo corredor daquele vale...