28 de fevereiro de 2014

"Logo irei até á janela... regarei a flor que perfuma meu quarto. Acariciarei a pétala mais luminosa da noite, chamarei o vento e pedirei que ele te leve mais belos sentidos para suas novas inspirações. E se este tocar sua face, não se assuste, é apenas a mim que te beija em silêncio, com carinho, e mesmo que não haja a luz do luar, teus olhos serão o farol da minha estrada."

Quis escrever nas noites mais frias e longas das quais cada um dos meus pensamentos eram naufrágios. Mas não fui permitido a escrever com pe...