25 de março de 2016

Noite finda,

Desliza nuvens
E o tempo,
Por nós passa
Feito o vento

Rompemos o instante
Com um breve pensamento
O que queremos?
Pelo que nós somos?

Que merecemos?
Se quase nunca
Nada fazemos a regar a flor
Que distante, nem notamos

E quando perto
Assim, estamos
Pisamos, sem pudores
Que o olhar ao invés do gesto ...

Nos traga a razão
De também nos transformarmos
Em tão simples vaso,
Que se quebrado

Seja ele novamente
Refeito, caco a caco
Posto a semear os pensamentos,
Os pedaços vitrais

Assim, como nuvens
Se desfazem, deslizam
Façamos de nós, um amanhecer
O poente de um cais emaranhado ao mar.

Quis escrever nas noites mais frias e longas das quais cada um dos meus pensamentos eram naufrágios. Mas não fui permitido a escrever com pe...