15 de junho de 2017

Como se tua chegada fosse o sol em meio a noite escuro. Dobro os pensamentos e me ponho a sentar aqui sobre esta janela como se o vento me fosse tua companhia e chegada. Partindo a nau dos males, faz cantarolar os pássaros, brotar as rosas e faz resplandecer o mais belo campo com teus jasmins. Vestem-se as nuvens de marfim, formando infindável cântico a lua que d'outro lado está. Óh, que lirismo há em meu jardim e se esconde por entre estes arbustos? Melindra chuva foi-se e partiu os medos, os tornando meras fantasias. Desce uma nota, criando formoso e titânico sentimento, voraz e único. Transcende o instante, fazendo esse tempo, profunda e perfeita sinfonia, onde os pássaros fazem a obra. Formosa, fazê de ti horizonte, onde sou plano oculto, que somente adormece para criar a obra, eis que está, onde sou lápis e tu papéis...

"Na vigília dessa noite, enquanto todos dormiam. O mundo a se mover sem perceberem da mesma forma ao estarem todos despertos. Movia-se ...