8 de julho de 2017

Os escombros se desfazem...

Os ventos traziam consigo a sensação
Do inimaginável, os olhos se fecharam
E os pilares que sustentavam as estátuas
Tão antiga quanto a lei do elixir

O segredo oculto da alma a realidade
Debruça os sentidos, e as sombras se desfazem
O frio inerte, como todo inferno gélido
Ruminando meu coração, desfazendo a vida

Brotando o assento frente aos jazigos
Mórbidos de almas mortas e adormecidas
Que teimam em nos contar as verdades
De homens mortos, que nunca contam mentiras

Reles mortal que sou, a fugir dos amores
Amaldiçoados pelas letras, sinto meu espírito
A vivificar-me sem o Ego do alter
Conduzindo-me além do véu da estrada

Uma mortalha que indica o mais brando caminho
Ora, este altar me silencia, e sou um todo erro
De não querer estar, imperfeito ser
Aprimorando em mim, o que sustenta

O perfume do carvalho, a porta entreaberta
E descaminho dos sentidos da falsa realidade,
Vislumbra o outro lado da vida
E me encontro ao se perder destes ruídos das engrenagens...

"Na vigília dessa noite, enquanto todos dormiam. O mundo a se mover sem perceberem da mesma forma ao estarem todos despertos. Movia-se ...