6 de julho de 2017

Sento-me aqui diante da paisagem

Caindo a noite, vejo as estrelas, incontáveis
A luz que está além desta mancha humana
Faz-me calar e sacrificar meus anseios
Para que eu possa ver além dos desejos humanos

Outrora, aqui chorava uma criança
E agora ela sorri, como flor a nascer
O mundo é uma inércia, e são fantoches
Transeuntes da madrugada, amantes de corpos

Minha dor em mim se cala
E vejo daqui sentado
A tempestade além das ondas
E não posso me calar neste caminho
Porque meu passado se perdeu de mim

Sinto um deixar de mim, e chega
Como habitação intocável, sou altar
Feito um simples instrumento,
Que se deixa tocar, infinita canção

São rios que guardo
Sou comporta que se abre
Rios e eiras para o vasto mar
E comporta para suportar as tempestades.

Quis escrever nas noites mais frias e longas das quais cada um dos meus pensamentos eram naufrágios. Mas não fui permitido a escrever com pe...