16 de novembro de 2017

Outrossim realizamos

Em nada somos silenciados, mas perturba o vento
O penhor do momento que nos dá a vida
Visto que tudo se parte as águas
Toda campina dá seu mantimento

E aprendemos no mapa, não com o guia
A voz majestosa como ela só
Que toca e paira no ar e ressoa nas águas
Criando novas realidades

Puxando-nos pelas mãos com gentileza
E terna mansidão, mas com a força de um trovão
E num sussurro liberta-nos do medo,
E seguimos para as eternas possibilidades

A vindima de nós para os campos
E sentimos como somos ventos
E de vento e popa...  O tic-tac...
E tudo se realiza quando sonhamos...

Porque acordamos!

Certo de que a poesia existe

E que faz-me viver nestas eiras perdidas das estradas Desnudas da vida de homens quaisqueres de iguais Seres de areias que desfazem ao v...